Prematuros sim, os gêmeos nasceram antes do previsto…

Tudo começou no dia 27 de Janeiro de 2017, quando descobri que estava grávida de novo, depois de 02 anos tentando.

Veio a tão esperada notícia e no dia 23 de Março, ao fazer a minha primeira ultra, a grande surpresa, teríamos 02 bebês, o quê, isso mesmo!!

Levamos um susto e tivemos sim, uma crise de risos…claro de nervoso…

Já que tínhamos nos planejado para ter mais um filho e de repente descobrimos que teríamos mais dois…

O Pré Natal foi acompanhado por um médico que já tinha feito o parto da Lorena, minha primeira filha.

A gravidez foi super tranquila e bem parecida com a dela.

Tirando o fato que a barriga ficava cada dia maior e a grande surpresa foi que teríamos 02 garotões.

Fizemos uma listinha de nomes e deixamos que a Lorena escolhesse, e ai, a escolha foi por Rafael e Felipe.

A barriga crescia cada dia mais e eu passava super bem, com parto previsto para a partir do dia 18/09/2017, quando estaria com 38 semanas.

Até que no dia 15/08/2017 pela manhã, fiz uma ultra para acompanhar os bebês e para a minha surpresa, o médico disse que os meninos estavam virados, ou seja ambos com a cabeça para baixo e na mesma posição.

Diferente das ultras anteriores, que estavam cada um numa posição.

Voltei para casa, almocei e depois descansei até a hora que teria que visitar um cliente.

Fiz a visita com uma amiga do trabalho e voltei para casa.

Aguardava a Lorena que estava vindo da escola com a minha irmã.

O meu marido, que estava voltando do trabalho, vinha de Três Rios, cidade que fica a 75 km de Volta Redonda.

E no dia 15/08/2017, mais ou menos umas 19 h, a bolsa estourou, estava sozinha com a Lorena.

Pedi socorro a minha irmã e fomos para o hospital, depois de falar com o meu médico por telefone, que me encaminhou para a emergência e não apareceu para me atender…

Fato que me choca até hoje quando lembro na confiança que tinha nele.

Mas lá estava um médico que foi super profissional e uma equipe maravilhosa que trouxe ao mundo os meus tesouros, Felipe e Rafael, ambos com 43 cm, 1965 kg e 2160 Kg, respectivamente, uma felicidade enorme para nós.

Gêmeos Prematuros
Meus Amores!!!

Nasceram prematuros com 35 semanas,  segundo avaliação dos médicos, porque pela ultra ainda estava com 33 semanas.

Inicia então uma trajetória difícil, virei mãe de UTI.

Os meninos tiveram que ir para UTI Neonatal, devido a prematuridade…e assim só fui ver os meus meninos novamente na manhã seguinte.

Porque fui para o quarto e eles foram para a UTI Neonatal, porque precisavam ficar numa incubadora.

Começa então uma experiência difícil na minha vida, a alegria do nascimento dos meninos se dividia na ansiedade de quando poderia levá-los para casa.

Nunca tinha entrado numa UTI Neonatal, e voltei a vê-los numa incubadora, tão pequeninos.

A dependência dos enfermeiros para pegá-los, o sentimento de insegurança, muito medo.

A dor da recuperação da cesária, e muita fé e paciência para aguentar.

E eu estava lá com os dois, me refezando para dar atenção.

Quando o bebê nasce, a mãe quer fica perto, cuidando e pegando a hora que quer.

Eu naquele momento, acordei, ansiosa para estar perto dos meus meninos e saber como eles estavam.

Finalmente, consegui que me levassem e ai me lembro com muita emoção, o que senti na hora de vê-los.

Diferente da Lorena, que nasceu e ficou comigo desde da hora que veio ao mundo, vi os meninos através do vidro da incubadora, tão pequenos e frágeis….

A emoção tomou conta e o medo de perdê-los foi enorme.

O que seria aquele monte de aparelhos monitorando, sonda no nariz, monitoramento constante…o que pensar….será que essa equipe dá conta.

E a cesária…tive alta no terceiro dia, depois do nascimento dos bebês e sai do quarto direto para UTI Neonatal, só desci alguns andares.

Repouso, resguardo…nem pensar…

Ficava o dia todo, revezando entre a cadeira que ficava do lado do Rafa e a do Felipe, monitorando e rezando.

Nos primeiros dias, só podia colocar a mão neles por dentro da incubadora.

Assim mesmo, depois de ter passado por todo o processo de higienização que nos orientaram quando chegamos.

Dor…muita, tomava remédio pelo menos 3 vezes por dia, para aguentar.

A noite quando chegava em casa, estava exausta emocionalmente e fisicamente, mas não podia deixar de dar atenção a Lorena, que ficava esperando para saber notícias dos irmãos.

E assim, comecei uma rotina diária de mãe de UTI Neonatal.

Aquele sentimento de ansiedade para chegar no hospital e saber notícias dos meus meninos.

Coração apertado pelo que me esperava.

Rezava muito e pedia sempre que Deus me desse força para não fraquejar.

Falava no ouvido dos meninos, quando estavam no meu colo, quando fazíamos o canguru, método que consiste em manter o recém-nascido de baixo peso ligeiramente vestido, na posição vertical, contra o peito do pai ou da mãe, dizia a eles que eram fortes e guerreiros e que sairíamos logo dali.

Mas ainda passamos pelo refluxo, muito comum hoje, principalmente em bebês prematuros.

Com 05 dias, quando começaram a tomar o leite no copinho, porque só estavam se alimentando através da sonda, começaram o regurgitar sem parar, quanta angustia.

Rafa e Felipe começaram juntos, e a preocupação era grande, já que dependiam disso para terem alta, e com a regurgitação, a perda de peso acabou acontecendo.

E cada grama de um bebê prematuro, vale ouro.

Ficávamos esperando o dia todo para chegar a hora da pesagem, que só acontecia a noite.

E assim levamos mais uns dias com refluxo dos meninos, até que com o Felipe, entraram com leite anti refluxo e um remédio, o problema foi resolvido, mas o Rafa, só Deus.

Felipe recebeu alta com 18 dias e continuamos numa luta com o Rafa.

O refluxo não parava e começou a perder peso, até que depois de 21 dias, foi feito um exame chamado Seriografia.

Descobriu que ele estava com Estenose Hipertrófica do Piloro e que precisaria passar por uma cirurgia.

Ah Meu Deus, o que seria isso.

Os médicos explicaram e fiquei sabendo no outro dia do exame que fariam uma cirurgia.

Que momento tenso…chorei e busquei força em Deus e Nossa Senhora Aparecida, para acreditar que resolveriam o problema e ficaria tudo bem.

Tão pequeno e já passando por uma cirurgia…

Gracas a Deus, foi um sucesso.

Rafa ainda ficou 01 semana depois da cirurgia na UTI Neonatal, após 30 dias, finalmente recebeu alta.

Fomos para casa, muito felizes, porque tínhamos vencidos uma grande etapa e finalmente poderíamos estar com os dois juntos.

Da experiência da UTI Neonatal, levo o meu respeito a todos os profissionais que ali trabalham.

No caso dos gêmeos, ficaram na UTI Neonatal da Unimed Volta Redonda, uma equipe maravilhosa que tem toda a minha gratidão e respeito.

Eles cuidam tanto dos pacientes quanto dos pais.

Tem paciência para nos atender e esclarecer todas as dúvidas, mesmo que sejam perguntas bobas pela falta de conhecimento.

É preciso ter muita fé e paciência, porque ela que nos faz ficar de pé.

Aprendi que mesmo nos momentos difíceis, é possível fazer grandes amizades, com os pais que estavam ali passando o mesmo que nós e com toda a equipe do hospital.

E a certeza que tudo na vida tem um porque e que temos que aproveitar essas experiências para crescer.

O porque deste post, quando estava na UTI, ficava procurando história de prematuros para me dar força, do antes e depois.

Para acreditar que também sairíamos dali e ficaria tudo bem.

E olha ai o antes e depois!

1
Gêmeos Prematuros
2
Gêmeos Prematuros

Agora em outro post, conto um pouco da rotina dos bebês em casa….clique aqui para saber mais…

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s